Projeto Coletiva abre as portas neste sábado, às 17h

Projeto Coletiva abre as portas neste sábado, às 17h

Inauguração contará com artistas plásticos para roda de conversa sobre a primeira exposição, Memórias, com obras de Massayuki Seko

O projeto Coletiva – Mostra Multicultural, da Maringá Cultural Cooperativismo (Macuco), será inaugurado neste sábado (15), na Rua Padre Vieira, 443, Vila Progresso, a partir das 17h, com apresentação da exposição Memórias, que resgata obras inéditas do artista paranaense Massayuki Seko. Assim como toda a programação da Coletiva, esse primeiro momento da mostra será gratuito e aberto ao público.

A inauguração contará com a presença dos artistas plásticos José Antônio Firmino (curador da exposição) e Oscar Leandro Neto, que participarão de uma roda de conversa, mediada por Rafael Morais, na qual pretendem apresentar reflexões sobre a carreira e as obras de Seko. Os dois convidados foram amigos pessoais do artista, além de grandes conhecedores de seu trabalho.

A exposição Memórias ficará aberta ao público até o dia 13 de outubro, gratuitamente, das 9h30 às 13h e das 14h30 às 19h, de segunda a sexta-feira, com obras do acervo familiar e de amigos de Seko.

Massayuki Seko

Nascido em Cambará (PR), em 1938, Seko fixou residência em Maringá na década de 1970, onde constituiu família e produziu grande parte de seu acervo. Seko realizou sua primeira exposição individual em 1978, com o tema Floresta Amazônica, inspirado pelo tempo em que trabalhou no Pará, como funcionário do Projeto Jari. Durante mais de 30 anos, o paranaense expôs por muitos estados do Brasil, e também no Canadá, Finlândia, Inglaterra, Japão, Estados Unidos, Suécia e Austrália.

Autodidata, Seko aprimorou um estilo singular de pintura, muitas vezes realizada em papéis preparados pelo próprio artista com bagaço de cana-de-açúcar. O artista faleceu em 2010, aos 72 anos.

Comentários

comentários

Sobre o autor

Você também poderá gostar

Local

Dor e Mudança: a cultura da vitimização

Em Maringá, palestra aborda de forma filosófica e histórica a percepção da dor para o ser humano Luiz Felipe Pondé é filósofo, escritor e ensaísta, pós-doutorado em epistemologia pela Universidade

Notícias

Banco do Brasil consegue lucrar 18 vezes o que investe em projetos culturais

O Branco do Brasil consegue lucrar com mídia espontânea até 18 vezes o valor que investe nos patrocínios culturais. No ano passado, o maior banco do País aportou R$ 49,3

Notícias

Feira de discos e ritmos no Festival Sabor de Cultura

Além da variedade de artistas e estilos, o preço é um ponto forte: artigos a partir de R$ 1 Oito food-trucks oferecendo cardápios diferentes, museu automotivo, quatro bandas revezando no