Atrações surpreendem e batem recorde de público no Magias do Ingá

Atrações surpreendem e batem recorde de público no Magias do Ingá

As noites do último final de semana em Maringá foram marcadas pelo maior Festival de Ilusionismo e Mágica do Paraná. O evento reuniu ao todo mais de 1.600 pessoas e teve como protagonista Issao Imamura, o maior ilusionista do Brasil e um dos sete maiores ilusionistas do mundo, além do mentalista Karllos Della Rè.

Profissionalismo

Issao, também conhecido por ser o principal empresário do ilusionismo do Brasil, realizou grandes números no palco do Teatro Marista, tudo acompanhado sob os olhares atentos da plateia. Karllos Della Re foi quem abriu os shows. Sempre de forma irreverente e criativa, o mentalista arrancou suspiros e boas gargalhadas do público. Um verdadeiro showman. “Tenho orgulho em fazer parte do Magias do Ingá. Nesta edição, optamos em trazer apenas um artista, mas um artista com grande notoriedade. O público aceitou muito bem os shows, pois quebramos aquele preconceito da mágica ser relacionada apenas com apresentações retrogradas. O Issao trouxe mais profissionalismo, estilo Las Vegas mesmo”, declara Della Re, que também é curador do projeto.

De acordo com o presidente do Instituto Cultural Ingá (ICI), Eduardo Peinado, a ideia é trazer grandes espetáculos para Maringá. “Queremos que a cidade esteja no mesmo patamar dos grandes centros, que conseguem atender o público e oferecer, ao mesmo tempo, diferentes vertentes da cultura”. Para o vice-presidente do ICI, Mohamad Ali Awada, o projeto atingiu níveis imensuráveis e é importante à cidade “não perder um Festival de tamanha dimensão”, comenta.

Reconhecimento

Nos bastidores, Issao comenta que o Festival é significativo para a história da mágica e ilusionismo no Brasil. Ele afirma que há poucos eventos relacionados ao tema no País, entretanto que fazem sucesso no mundo inteiro e movimentam muito, anualmente. “É muito louvável que o ICI promova um festival deste nível. Torço para que dure por muito tempo, para que gerações de todos os lugares possam apreciar a arte do ilusionismo e da mágica. Ambas balançam o pensamento das pessoas, e as pessoas acabam ficando incomodadas. É nesse momento que a mágica e o ilusionismo atingem a cultura. A cultura tem relação com aquilo que o homem consegue absorver, aquilo que o homem acredita que precisa para viver, por isso é importante o compartilhamento desta arte, ou seja, é fundamental para que a cultura fique cada vez mais rica e não se perca o encantamento”, afirma.

Karllos Della Re declara que o festival está amadurecendo e já tomou proporções mundiais no meio mágico. “Todos os que já se apresentaram no festival viajam o mundo e, nessas viagens, eles falam do festival por onde passam. E os comentários são sempre voltados a forma com que foram recepcionados na cidade, isso marca muito. Tratar artistas como artistas”.

A 3ª edição do Festival Internacional de Ilusionismo e Mágica contou com o patrocínio master do Shopping Maringá Park, do patrocínio do Atelier Portinari, Cooper Card, Escola Mater Dei Jr. e Viapar. Apoio Associação Comercial de Maringá (ACIM) e Convention & Visitors Bureau (CVB).

As fotos dos dois dias de Festival estão disponíveis no link: https://www.flickr.com/photos/acim-maringa/albums

Confira um vídeo resumo do Magias do Ingá – 3ª edição:

 

Comentários

comentários

Sobre o autor

Você também poderá gostar

Notícias

Exposição discute influência do Instagram na fotografia artística

Na exposição #instaronis, com abertura oficial nesta quarta-feira, 8 de março, das 15h às 18h, na Câmara Municipal de Maringá, o artista plástico Ronis Furquim apresenta uma série de fotos

Nacional

PROFICE – Investir na cultura é investir no futuro

O PROFICE é o Programa Estadual de Fomento e Incentivo à Cultura do Paraná que, por meio da renúncia fiscal de ICMS, possibilita a valorização, a produção, a difusão, a

Artigo

Criatividade, Cultura e Turismo: o tripé estratégico da economia regional

Miguel Fernando, diretor executivo do Instituto Cultural Ingá “Em tempos de crise é que surgem as grandes oportunidades”. Pode parecer clichê, mas a velha máxima vem valendo mais do que nunca