Fundo patrimonial: MinC defende estabilidade de instituições

Fundo patrimonial: MinC defende estabilidade de instituições

Em São Paulo, Sérgio Sá Leitão fala sobre o fundo patrimonial, que gera recursos contínuos para a conservação, expansão e promoção de instituições culturais (Foto: Acácio Pinheiro / Ascom MinC)

O uso de fundos patrimoniais, os chamados endowments, para sustentar, em longo prazo, as atividades de instituições públicas e privadas de cultura foi debatido, nesta quarta-feira (28), durante o 1º Encontro das Artes Visuais – Em busca de soluções para questões normativas e tributárias, realizado na sede do Itaú Cultural, em São Paulo. O evento foi promovido pela Secretaria da Economia da Cultura (SEC) do Ministério da Cultura (MinC), em parceria com a Cesnik, Quintino e Salinas Advogados e a Revista seLecT.

O fundo patrimonial permite a criação de um patrimônio perpétuo que gera recursos contínuos para a conservação, expansão e promoção de instituições culturais, por meio da utilização dos rendimentos financeiros desse patrimônio (o montante do fundo propriamente dito não pode ser utilizado, apenas os rendimentos). Permite a construção de uma base financeira sólida para as instituições e alinha-se a tendências internacionais de excelência em gestão. Os recursos dos fundos são compostos de doações de pessoas físicas e jurídicas. Projetos de lei sobre o tema estão em tramitação tanto na Câmara dos Deputados como no Senado Federal.

Presente à cerimônia de encerramento do evento, o ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, afirmou que um dos compromissos assumidos por sua gestão é realizar estudos que possam embasar mudanças legais e políticas que resolvam problemas históricos da área cultural. “Nosso objetivo é deixar para a próxima gestão um diagnóstico que contribua para a formulação de políticas públicas para a área da cultura”, destacou Sá Leitão. “Precisamos atuar para resolver questões que vêm sendo discutidas há muito tempo, mas que nunca foram solucionadas”, ressaltou.

Um dos estudos citados pelo ministro é o Mapa Normativo e Tributário Incidente sobre o Setor da Economia Criativa. Serão estudados os regimes regulatório e tributário incidentes sobre cinco setores culturais – música, mercado editorial, audiovisual, jogos eletrônicos e artes visuais. O objetivo é identificar aspectos jurídicos e normativos relevantes que incidem sobre esses setores e propor medidas para aperfeiçoar os ambientes regulatórios e de negócios. O trabalho será concluído ainda neste ano.

Fundos patrimoniais

Os endowments foram debatidos em painel específico durante o Encontro, com a presença de representantes da SEC, do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), do Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social (Idis) e do Museu de Arte de São Paulo (Masp).

O diretor do Departamento de Sustentabilidade e Inovação da SEC, Lucas Baruzzi, informou que o MinC tem trabalhado junto a parlamentares para acelerar a aprovação de projetos de lei sobre fundos patrimoniais atualmente em tramitação no Congresso Nacional. “Há vários projetos sobre o tema, mas dois deles estão mais adiantados (PLS 158/2017 e PLC 8694/17), já foram aprovados em uma das casas e estão sendo avaliados na outra”, afirmou. “Os endowments são uma opção importante para que instituições culturais possam garantir sustentabilidade a longo prazo e reduzir a dependência do orçamento público ou de captações. E a regulação garante segurança jurídica aos investidores e aos próprios fundos”, ressaltou.

A possibilidade de utilização da Lei Rouanet para a composição de fundos patrimoniais também foi abordada durante o painel. A diretora do Departamento de Estratégia Produtiva da SEC, Ana Letícia do Nascimento Fialho, ressaltou que a discussão do tema corre em paralelo aos projetos de lei de regulamentação. “A renúncia fiscal para o setor cultural corresponde a apenas 0,66% de toda a renúncia do governo federal, ou seja, diversos outros setores ficam com um pedaço muito maior. Precisamos brigar por ampliar nossa fatia, há espaço para isso. E, nesse sentido, é muito importante inserir os endowments na Lei Rouanet”, afirmou.

Um dos casos mais bem-sucedidos de fundos patrimoniais no Brasil é o do Museu de Arte de São Paulo (Masp), em São Paulo. Em 2017, ano em que foi criado, o endowment do museu arrecadou R$ 16 milhões. Os rendimentos começarão a ser usados quando o montante atingir R$ 40 milhões, aproximadamente o orçamento anual do Masp. “Um dos pontos essenciais para se constituir um fundo patrimonial é paciência. Não se cria de um dia para o outro. É preciso que a gestão esteja muito bem administrada para que o fundo seja criado e sirva ao seu propósito, de garantir longevidade à instituição”, observou a diretora de Relações Institucionais do Masp, Juliana de Sá.

Além dos fundos patrimoniais, outros dois painéis realizados no encontro abordaram os temas aspectos regulatórios e tributários da entrada e saída de obras de arte no Brasil; e como incentivar a expansão do colecionismo institucional.

Fonte: Assessoria de Comunicação | Ministério da Cultura

 

Comentários

comentários

Sobre o autor

Você também poderá gostar

Notícias

Diretor executivo do Instituto Cultural Ingá é eleito delegado do Paraná para o CNPC

Turismólogo e especialista em história, Miguel Fernando assume a cadeira do segmento de Patrimônio Material, passando a representar a delegação do Paraná em Brasília Ao final da terceira etapa do

Notícias

Conselho Estadual da Cultura realiza reunião de trabalho

Os membros do Conselho Estadual da Cultura (CONSEC) estiveram nesta sexta-feira (19/08) em Curitiba para uma reunião de trabalho. Entre os assuntos abordados estavam os Planos Setoriais, o Serviço Social

Notícias

MinC designa membros da CNIC para biênio 2017/2018

Os 21 membros que comporão a Comissão Nacional de Incentivo à Cultura (CNIC) nos próximos dois anos foram designados pelo ministro da Cultura, Roberto Freire, em portaria publicada nesta sexta-feira