Com apoio da Rouanet, portal dá visibilidade a artesanato

Com apoio da Rouanet, portal dá visibilidade a artesanato

Artesãos e mestres de comunidades tradicionais que produzem artesanato no Brasil ganharam, nesta terça-feira (27), um portal para expor seus trabalhos, trocar experiências e profissionalizar o setor. A nova plataforma, lançada em São Paulo, faz parte da Rede Artesol – Rede Nacional do Artesanato Cultural Brasileiro e foi financiada com incentivos fiscais da Lei Rouanet.

De início, foram selecionados 126 grupos e associações de artesãos, para divulgação no portal. Como numa rede social, cada grupo tem a sua página, com fotos e informações sobre a comunidade e o artesanato produzido.

Em muitas dessas páginas, chamadas de perfis, há dados de contato, como telefone e e-mail dos respectivos grupos. A própria plataforma também permite o envio de mensagens, o que poderá abrir caminho para a comercialização de obras.

A Rede é uma iniciativa da organização social sem fins lucrativos Artesol – Artesanato Solidário, de São Paulo (SP). A coordenadora-geral do projeto, Josiane Masson, diz que a Rede e o portal são tentativas de superar a histórica fragmentação e desarticulação do setor. “A ideia é conectar pessoas, histórias e territórios. A gente queria mostrar o quanto o artesanato é belo na sua simplicidade”, afirma Josiane.

A seleção dos 126 grupos foi resultado de pesquisa em 24 unidades da federação – apenas Roraima, Rondônia e Amapá ficaram de fora. A Artesol mapeou as cadeias produtivas em que os grupos estão inseridos, identificando lojistas, espaços culturais e entidades que apoiam o setor.

Além dos perfis, o portal prevê uma seção, ainda não implementada, que será dedicada a oferta de aulas on-line para a capacitação dos artesãos. Até maio, consultores da Artesol irão a todos os 126 grupos, ministrando oficinas de fotografia e redes sociais, para auxiliar os artesãos na divulgação do próprio trabalho. Uma comunidade no Facebook foi criada para incentivar a troca de ideias.

O portal contém ainda seções com conteúdo sobre o que é artesanato e orientações para comerciantes que atuam no setor, com foco no combate ao trabalho infantil, na promoção da igualdade de gênero, no uso sustentável dos recursos naturais e na remuneração justa dos trabalhadores. Há também uma espécie de código de conduta para quem comercializa obras de artesanato: “A gente não quer atravessadores, pessoas que explorem os artesãos.” Um blog divulga iniciativas de artesãos e apoiadores do setor.

O portal está aberto a outros mestres e artesãos, mas estabelece critérios de seleção. Josiane diz que somente serão aceitos grupos de comunidades tradicionais, já que se trata primordialmente de um projeto cultural com o objetivo de fortalecer as raízes do artesanato brasileiro.

Fonte: Assessoria de Comunicação | Ministério da Cultura

 

Comentários

comentários

Sobre o autor

Você também poderá gostar

Notícias

Para que servem as editoras musicais?

Editora musical é a empresa que administra repertórios musicais (composições) e licencia usuários em relação às diversas modalidades de sua utilização, como as gravações, comercialização de CDs, arquivos digitais, sincronizações

Notícias

Lançamento da 2ª edição do livro “A história da Igreja Católica em Maringá”

Ontem, durante a reunião do Conselho de Administração da ACIM, foi lançada a 2ª edição do livro “A história da Igreja Católica em Maringá”, de autoria do pe. Orivaldo Robles.

Notícias

Festa Literária confirma seis novos convidados

A menos de um mês para a 5ª Festa Literária Internacional de Maringá (Flim), outros seis nomes são confirmados na programação, entre os dias 21 e 25 de novembro: Bel