Uso da internet na cultura ainda é desafio, aponta estudo inédito

Uso da internet na cultura ainda é desafio, aponta estudo inédito

O uso das tecnologias da informação e comunicação, as chamadas TICs, pode ser melhor aproveitado pelos equipamentos culturais brasileiros, tais como instituições culturais, bibliotecas, cinemas, museus, teatros e pontos de cultura. É o que revela a 1ª edição da pesquisa TIC Cultura 2016, divulgada pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br), por meio do Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic.br) do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br).

Segundo a pesquisa, a presença na internet, por meio de websites e redes sociais, a oferta de serviços on-line, e a ampliação do acesso universal à diversidade de expressões culturais pela web, são desafios a serem enfrentados pelos estabelecimentos que desempenham atividades culturais no Brasil. Foram ouvidos funcionários de 2.389 equipamentos culturais, incluindo arquivos públicos e privados, bens tombados, bibliotecas, cinemas, museus, teatros e pontos de cultura – entidades culturais certificadas pelo Ministério da Cultura (MinC). A pesquisa foi realizada entre novembro de 2016 e abril de 2017 e abordou questões como gestão interna, contato com o público e digitalização de acervos.

Presença na internet

De acordo com o estudo, o uso do computador é praticamente universalizado entre cinemas (98%) e arquivos (99%), por exemplo, mas ainda pode ser expandido em bens tombados (69%), bibliotecas (78%) e museus (81%). O uso da Internet revela um cenário semelhante: 98% dos cinemas e 97% dos arquivos estão conectados. Mas o percentual cai quando analisados os teatros e pontos de cultura (84%), os museus e bibliotecas (74% e 72%, respectivamente) e os bens tombados (64%).  A pesquisa também mostra desigualdades regionais: enquanto 81% das bibliotecas da região Sudeste utilizaram a Internet no ano anterior à pesquisa, o percentual alcança apenas 49% entre aquelas da região Norte.

A maior parte das instituições oferece serviços, informações ou assistência ao público pela Internet, com destaque para arquivos de informações (82%) – públicos e privados – e cinemas (76%). Entre os serviços oferecidos pela Internet, destacam-se a venda ou reserva de ingressos entre teatros e cinemas – estes agregam o maior percentual na venda de produtos e serviços (57%).

Quando analisa a presença nas redes, a pesquisa mostra que websites próprios são mais comuns entre cinemas (73%) e arquivos (57%) do que entre teatros (42%), museus (35%) e bibliotecas (9%). Já nas redes sociais, a presença é mais frequente: mais da metade dos cinemas (94%), pontos de cultura (77%), teatros (62%) e arquivos (54%) tem perfis nas mídias sociais. O percentual é menor nos museus (49%), bens tombados (48%) e bibliotecas (35%).

Em busca de melhorias

A pesquisa TIC Cultura revela, ainda, que a maior parte dos equipamentos culturais não tem área ou departamento de TI, nem contrata serviços nessa área, exceto no caso dos cinemas.  A justificativa apontada é a escassez de recursos financeiros, além do uso de dispositivos ultrapassados e a baixa velocidade de conexão.

Outro ponto da pesquisa diz respeito à digitalização de arquivos: a prática é mais comum nos arquivos públicos e privados (74%), pontos de cultura (63%) e museus (58%). A maior parte dos equipamentos, entretanto, digitalizou menos da metade dos itens de seus acervos – a principal dificuldade apontada é a falta de financiamento, seguida da falta de equipe qualificada. Mesmo entre aqueles que contam com acervo digitalizado, a maior parte o disponibiliza para o público na própria instituição, e não na Internet.

Formação e Informação

Em relação às atividades de capacitação e formação oferecidas ao público, tais como oficinas de cultura, a pesquisa aponta que elas ainda são predominantemente presenciais entre todos os tipos de equipamentos – a oferta de formação à distância não é prática comum, apresentando percentuais acima de 10% apenas entre pontos de cultura (13%) e arquivos (17%).

Já nos pontos de cultura, destacam-se o uso das tecnologias da informação e comunicação para a captação de recursos (54%), para a busca de informações sobre editais governamentais (77%) e para a participação nesses editais (74%), por exemplo.

 

Fonte:  Assessoria de Comunicação | Com informações do Cetic.br | Ministério da Cultura

 

Comentários

comentários

Sobre o autor

Você também poderá gostar

Notícias

Formação continuada em dança está com inscrições abertas

Já estão abertas as inscrições da Formação Continuada em Dança, projeto da Academia Daisa Poltronieri contemplado pelo Prêmio Aniceto Matti e que oferece um intensivo de cinco cursos com profissionais

Notícias

Biblioteca Pública do Paraná realiza sua primeira Festa Literária

De 23 a 28 de outubro, a Biblioteca Pública do Paraná realiza sua primeira Festa Literária (Flibi). O evento conta com a presença de mais de 20 escritores, que participam

Local

Show em Maringá: Viviane Foss resgata irreverência e musicalidade de Amy Winehouse

Apresentação acontecerá no próximo sábado no Teatro Barracão Amy Winehouse foi uma das vozes mais importantes da música internacional. Além da voz poderosa, a cantora e compositora deixou um legado