Mostra de teatro “A arte em cena” é gratuita e conta com interpretação em Libras

Mostra de teatro “A arte em cena” é gratuita e conta com interpretação em Libras

Um novo projeto se inicia essa semana em Maringá. Trata-se da mostra “A Arte em Cena”, que ocorre de 4 a 8 de dezembro no teatro do Colégio Platão. Proposto pela Associação Céu de Capricórnio e realizado por meio da Lei Rouanet, com patrocínio da Santa Rita Saúde, a mostra terá nove espetáculos gratuitos, todos eles com interpretação em Libras.

Os principais objetivos do projeto são: contribuir para facilitar a toda a população de Maringá e região o livre acesso à cultura por meio da realização de mostras de teatro oferecidas gratuitamente a população; promover e estimular a regionalização da produção teatral, por meio da valorização de atores profissionais e amadores do Norte do Paraná; fomentar a produção teatral local por meio da realização de espetáculos de artes cênicas; estimular o conhecimento dos bens e valores culturais, mediante distribuição gratuita e pública de ingressos para espetáculos de teatro.

“A Mostra é pensada para o final do ano, quando existem peças já encenadas de grupos profissionais e de grupos amadores, como mostras estudantis. Pensamos um fechamento de atividades ligadas ao teatro para o final de cada ano. Esse é o primeiro”, explica o coordenador e idealizador do projeto, Edson Pereira.

As apresentações irão acontecer no teatro do Colégio Platão, que comporta até 300 pessoas. É possível reservar ingressos com antecedência por meio do link https://goo.gl/forms/gUZMrZo3uFqIoa573 Na hora também é possível conseguir, mas sujeito à lotação do teatro.

Participam da programação alguns dos principais grupos e artistas de teatro de Maringá, como a Cia Manipulando, a Fanto Kid’s Teatro de Bonecos, a Cia Tipos & Caras, a atriz Márcia Costa, o Circo Teatro Sem Lona, a Cia Expressão de Amor e a Cia Faces de Teatro.

 

PROGRAMAÇÃO

04 de dezembro

20h – “O fantástico carrinho do homem que conta histórias”

(Danilo Furlan – Cia Manipulando)

 

21h15 – “Contos e encantos indígenas”

(Fanto Kid’s Teatro de Bonecos)

 

05 de dezembro

20h – “Conto ou não conto?”

(Cia Tipos & Caras)

 

21h15 – “Tempos de Cléo”

(Márcia Costa)

 

Dia 06 de dezembro

20h – “Branca de Neve – a nossa história”

(Circo Teatro Sem Lona)

 

Dia 07 de dezembro

20h – “O guarani – o amor de Peri e Ceci”

(Circo Teatro Sem Lona)

 

21h15 – “Ser ou não ser? Palhaço!”

(Expressão de amor)

 

Dia 08 de dezembro

20h – “O cravo e a rosa – uma nova canção” – categoria estudantil

(Cia Faces de Teatro)

 

21h15 – “Meu chão – um amor de outono”

(Cia Faces de Teatro)

 

Entrada gratuita.

Chegar sempre 30 minutos antes dos espetáculos.

Local: teatro do Colégio Platão

 

Sinopses

 

“O fantástico carrinho do homem que conta histórias”

(Danilo Furlan – Cia Manipulando)

O espetáculo começa como todo livro: com uma página em branco, que aos poucos vai envolvendo seus expectadores em histórias que colorem a vida. Um homem e seu fantástico carrinho carregam histórias de monstros que vivem em florestas e de monstros que vivem embaixo de camas; de galinha apaixonada que só pensa em agradar seu grande amor; de um cão que vive na rua e por onde passa só ouve dizerem “Sai, pra lá Vira Lata”, entre outras tantas histórias que podem sair do seu carrinho para encantar, colorir e alegrar a vida das pessoas.

Criação, execução e atuação: Danilo Furlan

Figurino: Marcos Verdeiro

Duração: 40 Minutos

 

“Contos e encantos indígenas”

(Fanto Kid’s Teatro de Bonecos)

Com o objetivo de resgatar as lendas e contos indígenas brasileiros, a Fanto Kid’s propõe aproximar o público dessas histórias por meio da animação de bonecos e objetos. Com duração de aproximadamente 40 minutos, os atores contadores de histórias levam o público a uma viagem por este universo da fauna, flora, encantos e magias. As três histórias escolhidas são “A lenda da Sereia Iara”; “A lenda da Vitória Régia” e “E o surgimento do fogo na tribo Kaingang”.

Atores bonequeiros: Rô Fagundes, Luara Fagundes Maranho, Iraquitan Fagundes

Duração: 40 Minutos

 

“Conto ou não conto?”

(Cia Tipos & Caras)

Adaptação e encenação de contos da autora Majô Baptistoni.

Elenco: Majô Baptistoni, Paulo de Almeida, Enderson Cristian, Flavio Magalhães, Altamir Cardoso

Direção: Majô Baptistoni e Altamir Cardoso

Cenografia e Figurino: Isabela Giovana

Técnico e Fotógrafo: Thiago Cortês

Duração: 50 minutos

 

“Tempos de Cléo”

(Márcia Costa)

“Tempos de Cléo” propõe um encontro ao ar livre. De repente, nos deparamos com a errante, uma acumuladora de histórias e seu corpo transbordado de memórias. Em uma pessoa está a lembrança de muitas: a alegria de Jéssyca, o amor da mulher que só por amar já vai pro céu, a simpatia do consertador de sapatos, o nervoso ex-militar da feira, o delicado vendedor de algodão doce, o intrépido homem que não toma remédio contra HIV e tantos outros e outras que estão nessa instigante jornada. No espaço de passagem ou na passagem do tempo fica o convite para saborear essas histórias.

Atuação: Márcia Costa

Direção: Gabi Fregoneis

Texto e Asistência de Direção: Carolina Santana

Música: Èdipo Ferreira

Produção: Rachel Coelho

Duração:60 minutos

 

“Branca de Neve – a nossa história”

(Circo Teatro Sem Lona)

A nossa história é o caminho tomado por quatro palhaços que propõe contar o clássico infantil, mas três dos quatro palhaços  discordam do original para a atualidade, então propõe mudanças na encenação que não seguem a mesma história do livro dos Grimm, utilizando músicas e personagens da nossa cultura popular brasileira , assumem como protagonistas da história Maria Bonita e Zé Belo , escolhidos pelos palhaços, ao invés de Branca de Neve e o príncipe, assim como outros personagens, como a Madrasta e a perseguição à menina pela inveja é assumida por outro personagem da cultura popular, inspirado em Câmara Cascudo, e os próprios anões são substituídos, trazendo à tona elementos, brincadeiras e cantigas da cultura popular.

Elenco: Danielli Pasquini, Pedro Ochoa, Pedro H. Daniel e Andressa Soares

Direção: Pedro Ochoa

Técnico e Produtor: Rafael Ochoa

Duração: 60 minutos

 

“O guarani – o amor de Peri e Ceci”

(Circo Teatro Sem Lona)

Primeiro espetáculo da Companhia, inspirado na obra de José de Alencar “O Guarani”, estreou em 1999. Utiliza linguagem e técnicas circenses para apresentar o amor platônico de Peri por Ceci, que podemos chamar de um mito brasileiro, em que o autor sugere a criação de uma raça pura para o país, deixando apenas Ceci e Peri em solos brasileiros para realizar essa missão. A história é encenada por quatro clowns, num picadeiro em que são valorizadas as cores e vegetações brasileiras.

Elenco: Elison Pereira, Mateus Moscheta, Rafaela Dumont e Pedro Ochoa

Direção: Pedro Ochoa

Técnico e Produtor: Rafael Ochoa

Duração: 60 minutos

 

“O cravo e a rosa – uma nova canção”

(Cia Faces de Teatro)

Fala sobre a capacidade que todos temos em dar uma novo rumo à nossa história, quando assumimos ser protagonistas dela! A peça traz as características da cultura “”Do Pé Vermelho””, típico jeito do interior do Norte do Paraná.

Duração: 40 minutos

 

“Meu chão – um amor de outono”

(Cia Faces de Teatro)

O romance se passa numa noite chuvosa de outono. O tempo que não é cronológico marca o encontro Eu-Tu. Dois corpos, duas almas, dois pensamentos, duas histórias, mas que se confundem, se misturam. Como a estação, este encontro é passageiro, mas as marcas falam do calor que se finda e do frio que renasce em cada ano. Real? Talvez. Não mensurável.  A história narra o canto de dois amigos, Antônio (significa “valioso, “de valor inestimável”, “digno de apreço”) e Thomas (significa “gêmeo”, vem do nome aramaico Ta’ama, que significa literalmente “gêmeo”. Versão americana de Tomás, Tomé.), que vivem o encontro desinteressado, o que oportuniza a possível chance de abraçar a si mesmos. O ato causa o questionamento: eram dois atores, duas histórias, ou uma só? Um só?

O amor encontrado os faz tocar o tempo, sentir o chão.

Palavras do autor: Certamente após essa descoberta existencial, num encontro como esse diria eu mesmo – “Meu Chão”.

Duração: 70 minutos

programação final

 

Comentários

comentários

Sobre o autor

Você também poderá gostar

Notícias

Formação de público: alguns conceitos, por José Carlos Durand

A que conceitos e teorias podemos recorrer quando o assunto é implantar e gerir programas de aumento da frequência a instituições culturais? O sociólogo José Carlos Durand seleciona e comenta

Notícias

Proteção, preservação e promoção da cultura negra no Brasil

A Fundação Cultural Palmares (FCP), primeira instituição federal dedicada à proteção, à preservação e à promoção da cultura negra no Brasil, completa 28 anos de criação nesta segunda-feira (22). Em

Notícias

MinC publica novas regras para contratação de pareceristas

Os projetos culturais apresentados ao Ministério da Cultura (MinC) para apoio via Lei Rouanet passam por novas regras de aprovação a partir da Instrução Normativa nº 1/2017. No bojo das