Maringá recebe Workshop de defesa pessoal para mulheres

Maringá recebe Workshop de defesa pessoal para mulheres

Ação também tratará da emancipação feminina e a importância do deslocamento da mulher da posição de vítima

Meditação, compartilhamento de vivência, técnicas de defesa pessoal e empoderamento feminino estão entre os módulos que serão apresentados no próximo dia 18, segunda-feira, no Workshop “Empodere-se – Defesa Pessoal para Mulheres”. O curso será ministrado na Rua Gáspar Ricardo, 456 (sede da Peugeot Chanson), das 19h às 23h.

Organização – O evento é organizado por um grupo de mulheres, que encontraram um interesse em comum: informar, conscientizar e agir para evitar que os índices de violência contra a mulher continuem a aumentar.

Amanda Lemes é bacharel em Direito (UEM), mestre em Políticas Públicas e Gestão (FLACSO), trabalhou quatro anos como investigadora e escrivã da Polícia Civil do Paraná, atuando na área de atendimento às vítimas de violência doméstica. Kayna Bueno estudou Administração de empresas e é sócia proprietária da empresa Camera Rock – especializada em produção de eventos e audiovisual. E, por fim, a bacharel em Direito, Pâmela Valdez, que também é pós-graduanda em Psicologia Investigativa: Criminal Profiling pelo Instituto Paulista de Estudos Bioéticos e Jurídicos. No setor público, Pâmela criou e executou projetos inéditos de política pública voltados à juventude frente a diversas prefeituras do estado do Rio de Janeiro. Além da organização, Amanda e Pâmela serão instrutoras de técnicas de defesa pessoal no Workshop. O projeto também conta com o fomento à cultura do Instituto Cultural Ingá (ICI).

Projeto – O “Empodere-se Defesa Pessoal para Mulheres” foi desenvolvido a partir de uma pesquisa – de dois anos -, com mais de duas mil mulheres. Os casos levantados trouxeram à tona situações que vão desde agressões psicológicas, passando por lesões corporais no âmbito doméstico, tentativas de estrangulamento, assédios sexuais em locais de trabalho e em ambientes públicos. “Na maioria dos casos, as mulheres relataram limitações em dois âmbitos: primeiro, o fato de ficarem paralisadas diante as abordagens violentas; segundo, mesmo quando não paralisavam, expressaram sua inabilidade técnica para sair de tais situações”, explica Amanda.

Problema Social – Conforme dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), entre 1980 e 2013, mais de 106.000 mulheres foram assassinadas no Brasil. Para Pâmela, a violência contra as mulheres representa um grave problema social que atinge mulheres de todas as faixas etárias, das mais variadas classes sociais, regiões geográficas, grupos étnico-raciais, níveis de escolaridade, orientação sexual e religião. “Fatos recentes que chocam a sociedade, como o homem que ejaculou em uma mulher dentro de um ônibus na avenida Paulista, estupros coletivos, assédios no trabalho, altos índices de violência doméstica são alguns casos que dimensionam a importância social do que está proposto no Workshop”, relata.

Conteúdo – O primeiro módulo promoverá a Meditação das participantes. De acordo com Pâmela, é neste momento que as mulheres serão guiadas a um processo de autoconhecimento, com foco na reflexão sobre sua autoestima, amor-próprio, medos e culpas. “No segundo módulo, as participantes serão instigadas a responderem perguntas como: “o que é ser mulher para você no mundo de hoje?”, “qual sua trajetória?”, e “por que sentiu necessidade de procurar conhecimento em autodefesa?”. No terceiro instante serão apresentadas as Técnicas de Defesa Pessoal, bem como a percepção do ambiente e dos perfis agressores”. Segundo as organizadoras, as técnicas de autodefesa que serão tratadas no Workshop poderiam evitar 90% dos 2.000 casos estudados.

O quarto e último módulo, que trata sobre o Empoderamento Feminino, faz a interface da autodefesa com o processo de autonomia feminina. “A maior parte das mulheres encontra-se em estado de alienação, no que tange a sua própria segurança. Fomos culturalmente ensinadas a sermos protegidas por nossos pais, irmãos, namorados, maridos e pelo Estado. No entanto, nem sempre isso é uma realidade no mundo em que vivemos. A maior parte das agressões são cometidas por esses mesmos agentes “protetores”, ou ainda, mesmo que estes cumpram fielmente tal papel, não podem proteger a vida e a integridade física das mulheres a todo o tempo. Além disso, neste módulo trabalha-se a ruptura de um paradigma, a saída da posição de vítima que socialmente nos é imputada, pois, simbolicamente, se a mulher passa a se sentir capaz de dar conta de sua defesa, cria recurso interno para perceber que é capaz de inúmeras outras coisas que talvez não tivesse consciência”, finaliza Amanda Lemes.

Inscrições – As inscrições têm o custo de R$ 100 (cem reais) e podem ser realizadas no Salão Bonina – Avenida João Paulino Vieira Filho, 305 – ou pelo telefone (44) 99739-6481. Preços especiais para o Clube de Assinantes do O Diário, universitários, colaboradores da UNINGÁ e advogadas credenciadas a OAB de Maringá.  Haverá espaço e monitores para crianças.

 

image001 (2)

 

Assessoria de Imprensa ICI – Danielle Corrêa

Comentários

comentários

Sobre o autor

Você também poderá gostar

Local

Sérgio Sá Leitão é o novo ministro da Cultura

Atual diretor da Agência Nacional do Cinema (Ancine), Sérgio Sá Leitão é o novo titular do Ministério da Cultura (MinC), conforme anunciou nesta quinta-feira (20) o presidente da República, Michel

Notícias

SEEC produz vídeo tutorial sobre como enquadrar projetos no PROFICE

A Secretaria de Estado de Cultura do Paraná, por meio da Coordenação de Incentivo à Cultura, comunica a todos os gestores municipais de cultura do Estado do Paraná que, devido

Notícias

Conselho Estadual da Cultura realiza reunião de trabalho

Os membros do Conselho Estadual da Cultura (CONSEC) estiveram nesta sexta-feira (19/08) em Curitiba para uma reunião de trabalho. Entre os assuntos abordados estavam os Planos Setoriais, o Serviço Social