Diversidade marca palestra do Professor Teixeira Coelho
27 de abril de 2017 1159 Visualizações

Diversidade marca palestra do Professor Teixeira Coelho

Estiverem presentes acadêmicos, produtores culturais, empresários, gestores e estudantes. 200 pessoas compareceram ao evento

Pouco mais de duas horas foram o suficiente para inundar o auditório Dr. Miguel Kfouri Neto, na ACIM, de muita informação e inúmeras dúvidas. De um lado o Professor Teixeira Coelho, sempre instigante e provocador, do outro os 200 participantes, que se inscreveram previamente para garantirem suas vagas. Representando a SEMUC, Rael Toffolo, secretário da Cultura de Maringá, esteve presente no evento reafirmando a parceria da entidade junto ao Instituto Cultural Ingá (ICI) – idealizador da palestra. Miguel Fernando e Anibal Verri foram os representantes do ICI.

Participação – Durante a palestra, Teixeira Coelho – um dos principais pesquisadores sobre política cultural no Brasil – abordou de forma muito completa as principais diferenças entre arte x cultura e os cinco desafios na área de gestão cultural. Para o professor, doutorando em História, com ênfase em Patrimônio Cultural, João Paulo Pacheco, a palestra foi extremamente estimulante, principalmente em uma sociedade carente de políticas públicas. “É preciso estar atento de que mudanças são sempre necessárias. Mas, relevo que é de vital importância saber da base, ou seja, diferenciar o que é arte e o que é cultura, distanciando do conceito antropológico que afirma que tudo é cultura”, explica o professor.

Diante a indagação de João Paulo, é preciso entender que durante a palestra, Teixeira Coelho foi enfático “A função da arte é ser única e gerar questionamento, já a cultura se repete e abriga as pessoas. O que a cultura constrói a arte quer destruir. Em suma, é uma questão ética com a terminologia, quanto ao peso das palavras e sua realidade”. Teixeira aproveita para estabelecer uma ligação entre as definições e o campo da gestão cultural. “É preciso entender essa distinção, uma vez que a gestão pública estabelece princípios gerais para arte e cultura”, complementa.

Intervenção – Teixeira também expos seu ponto de vista sobre a intervenção do Estado na prática cultural. Sobre este assunto o palestrante reiterou que os brasileiros vivem a mercê de um país centralizador. “Se tudo acontece na cidade, porque tudo precisa depender do estado, da federação. A cidade pode e deve ser independente no que ela acredita ser o melhor para ela”, encerra.

Novidades – O ICI promoverá no próximo dia 11/05 mais um evento gratuito. Desta vez, o tema abordado será a Lei Rouanet. De acordo com Miguel Fernando, diretor executivo do ICI, o instrumento é alvo de críticas severas acerca de seu formato de funcionamento. “Embora fosse o objetivo das gestões anteriores do Ministério da Cultura de proporcionar um novo instrumento que viesse em substituição a atual legislação, em março desse ano optou-se pela publicação da Instrução Normativa nº 1/2017 (IN), que apresentou novas orientações visando reduzir algumas das discrepâncias proporcionadas pela legislação”, afirma. A palestra gratuita será ministrada por Edson Pereira, consultor cultural, e apresentará todos os detalhes da nova Instrução Normativa.

 

FONTE: Ascom ICI | Daniele Corrêa – Mobi Comunicação (44) 3034-1812

Cultura em movimento!

Comentários

comentários

Sobre o autor

Você também poderá gostar

Notícias

Atrações surpreendem e batem recorde de público no Magias do Ingá

As noites do último final de semana em Maringá foram marcadas pelo maior Festival de Ilusionismo e Mágica do Paraná. O evento reuniu ao todo mais de 1.600 pessoas e

Notícias

Formação para jovens na área cultural

O Departamento de Estratégia Produtiva do Ministério da Cultura (MinC), informou que serão disponibilizadas cerca de 20 mil vagas para formação na área cultural dentro do programa Mediotec, um braço

Local

Maringá Park recebe exposição “Cinema de papel”

Antecedendo a semana da cerimônia do Oscar 2017, o Maringá Park Shopping Center recebe a exposição “Cinema de papel – grafismos cinematográficos”. A mostra conta um pouco da história do