Ação em São Paulo reacende debate sobre pichadores e grafiteiros

Ação em São Paulo reacende debate sobre pichadores e grafiteiros

Ao assumir a Prefeitura de São Paulo, João Doria promoveu mudanças que visam “embelezar” a capital. A operação iniciou uma série de discussões, entre elas se pichação e grafite devem ser tratados com igualdade

 

Quando Alex Vallauri, artista etíope radicado no Brasil e autor dos primeiros grafites em espaço público da capital paulista, iniciou sua expressão artística em referência à censura – com o desenho “Boca com Alfinete” (1973) – era de se esperar que, com o tempo, milhares de pessoas passassem a seguir sua arte.

Desde então, até 2011, o grafite em edifícios públicos era considerado crime ambiental e vandalismo em São Paulo. A partir daquele ano, somente a pichação continuou sendo crime.

Dicotomia – Enquanto alguns amam, outros odeiam e muitos sofrem as implicações que João Doria, prefeito de São Paulo, vem realizando na capital, a discussão que está em pauta é complexa e ocorre a nível nacional: afinal, pichação e grafite devem ser tratados como arte? Para responder essa pergunta, falamos com os dois lados da moeda.

Nuno Skor é grafiteiro, autor de um painel na sede do Instituto Cultural Ingá, e desde 1997 está no Brasil – sendo a Suíça seu país de origem -, ele considera o grafite um estilo de vida e, em meio aos traços e cores que emprega, acredita que o reconhecimento das pessoas é o maior referencial para validar seus trabalhos. “Bem mais que uma questão visual, o grafite é estética, tanto na cor quanto no traço. Atualmente, não está apenas nas ruas, o grafite está em todo lugar”, declara.

Sem compromisso com o “pixo”, Fernanda I (nome fictício) é jornalista e, hoje em dia, trabalha com publicidade em Maringá. Ela não se considera uma pichadora, para Fernanda pichação é uma forma de expressão daqueles que não tem voz. “Os muros são a imprensa do povo”, ressalta. A jornalista afirma, também, que suas pichações são mensagens de empoderamento feminino, visibilidade lésbica e de grupos oprimidos e sem voz na sociedade. “Precisamos dessa visibilidade, que escutem nossa voz e nossas demandas. Os muros da cidade são um meio de transmitir essa mensagem”, completa.

É ou não é? – A Lei nº 12.408/2011 é clara e define o tratamento que deve ser conferido ao grafite. Esta lei alterou o artigo 65 da Lei nº 9.605/98 (Lei de Crimes Ambientais), que, até então, considerava crime tanto o ato de pichar quanto o de grafitar.

“§ 2º Não constitui crime a prática de grafite realizada com o objetivo de valorizar o patrimônio público ou privado mediante manifestação artística, desde que consentida pelo proprietário e, quando couber, pelo locatário ou arrendatário do bem privado e, no caso de bem público, com a autorização do órgão competente e a observância das posturas municipais e das normas editadas pelos órgãos governamentais responsáveis pela preservação e conservação do patrimônio histórico e artístico nacional.”

Ao citar e descriminalizar a prática do grafite consentida, apenas a pichação passa a sofrer as consequências penais, que variam de três meses a um ano de detenção e multa. Portanto, perante a lei, ambas as atividades são tratadas de formas distintas.

Ponto de vista – De acordo com Miguel Fernando, diretor executivo do Instituto Cultural Ingá, que integra o Colegiado Nacional de Patrimônio Cultural Material, no Conselho Nacional de Políticas Culturais, a primeira análise que precisa ser levada em conta é o processo de pertencimento da população, de como as pessoas enxergam determinadas intervenções urbanas. “Nem todos gostam do que está nas vias públicas. Entra em cena o dilema endêmico: o que, afinal, é arte? Se levarmos em conta que arte é tudo aquilo que desestabiliza o espectador, tanto a pichação quanto o grafite podem ser arte. Mas, obviamente, existe mais a ser colocado na discussão, como a estética e o princípio da inovação”, explica.

O diretor ainda salienta que não deve ser esquecida, em última instância, a questão da agressão ao privado ou ao público, promovendo os atos em estruturas não autorizadas. “Isso, como a lei já destaca, é crime. Enfim, um debate tão complexo quanto necessário”, encerra.

Volta ao mundo – Ao redor do globo, muitas metrópoles são transparentes quanto à aceitação aos grafites e pichações. Em Nova York, por exemplo, grafiteiros e pichadores são vistos da mesma forma, ambos podem ser punidos se forem pegos em flagrante. A Prefeitura, entretanto, cede parques, escolas e metrôs aos grafiteiros. Já em Los Angeles, as pichações são completamente proibidas, ao mesmo tempo em que o grafite é praticado apenas com a autorização da Prefeitura. Em Madri, as duas atividades são proibidas pela mesma lei.

Mudança de planos – De volta a São Paulo, o prefeito promete criar uma lei para punir os pichadores com multas de até 50 mil, uma forma de desestimular a prática. Até o momento, uma decisão judicial proibiu Doria de apagar os grafites espalhados pela cidade sem a autorização do Conpresp (Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental de São Paulo). Em caso de descumprimento, a Prefeitura será multada em R$ 500 mil diários, além de outras sanções.

Saiba mais – Com o objetivo de dar cor e vida às cidades, o Color+City coloca em contato pintores, grafiteiros e artistas com donos de muros que querem ter seu espaço renovado, gratuitamente. Para participar, basta realizar o cadastro no site www.colorpluscity.com e seguir as orientações. É possível se cadastrar como “doador de espaço para pintura” e como “pintor”. O projeto foi lançado em 2013 pelo Google.

 

Assessoria de Imprensa ICI

 

Comentários

comentários

Sobre o autor

Você também poderá gostar

Notícias

Mostra Multicultural e Multidisciplinar promove formação artística e cultural

O objetivo é ministrar 12 oficinas gratuitas e atender 200 pessoas A COLETIVA é uma Mostra Multicultural e Multidisciplinar que surgiu da necessidade de criar-se um ambiente de convivência cultural,

Nacional

Abertas as inscrições para o Concurso Nacional Novos Poetas – Prêmio CNNP 2016

  Estão abertas as inscrições para o Concurso Nacional Novos Poetas, Prêmio CNNP 2016. Podem participar do concurso todos os brasileiros natos ou naturalizados, maiores de 16 anos. Cada candidato pode

Nacional

MinC lança três editais para filmes de baixo orçamento

Como parte do Programa Brasil de Todas as Telas – Ano 2, a Secretaria do Audiovisual do Ministério da Cultura (SAv/MinC) lançou três editais para a realização de 22 filmes