Caboclinho conquista título de Patrimônio Cultural do Brasil

Caboclinho conquista título de Patrimônio Cultural do Brasil

Uma performance artística que reúne elementos de dança e música, apresentando narrativas de guerreiros e heróis. A manifestação cultural dos grupos de Caboclos – ou Caboclinho – é capaz de conectar a vida cotidiana ao elemento mítico do caboclo brasileiro.

Na manhã desta quinta, a prática conquistou um importante reconhecimento: o título de Patrimônio Cultural do Brasil. Ele foi concedido pelo Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural, em Brasília. O conselho é presidido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

A manifestação, presente na Região Metropolitana de Recife e na Zona da Mata Norte de Pernambuco, é conhecida principalmente por suas atividades no carnaval pernambucano. Datada desde o final do século XIX, a prática é marcada por uma forte presença religiosa afro-indígena-brasileiras, ancorada no culto à Jurema, com entidades espirituais denominadas Caboclos. Os instrumentos musicais são outra singularidade da expressão cultural, sendo o Caracaxá e a Preaca, por exemplo, exclusivos dos Caboclinhos.
.
A prática foi registrada por unanimidade entre os integrantes do Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural. “Essa manifestação é muito singular, representa uma síntese das três etnias formadoras da identidade brasileira”, afirmou Kátia Bogéa, presidente do Iphan. “Esse título exigiu uma pesquisa extensa e complexa. E a política do patrimônio imaterial traz a nós (governo) a responsabilidade de salvaguarda”, completou.
.
Representantes da manifestação presentes à reunião comemoraram. “Estamos todos muito felizes. Para mim foi um grande reconhecimento, que valoriza o caboclinho pernambucano”, contou Paulo Sérgio dos Santos Pereira, presidente do Caboclinho 7 flexas. O presidente da Associação Carnavalesca dos Caboclinhos e Índios de Pernambuco, Erivaldo Francisco de Oliveira, festejou o respaldo do poder público: “Foi uma vitória. É um título importante e a associação se sente contemplada e agradecida pelo poder público ter essa preocupação”.
 .

Comentários

comentários

Sobre o autor

Você também poderá gostar

Notícias

Escritoras maringaenses realizam lançamento de livros neste terceiro dia da FLIM

Duas autoras maringaenses lançam livros na tarde desta quinta-feira (15) na 3ª Festa Literária Internacional de Maringá (FLIM). Uma delas é Majô Baptistoni lançando o livro “Conto ou não conto!”.

Nacional

Contribua com a Convenção da Diversidade Cultural

Fortalecer o direito dos países de terem suas próprias políticas culturais e promover a diversidade cultural no mundo. Esses são os pilares que sustentam a Convenção sobre a Proteção e