Conselho Municipal de Cultura faz eleição para cadeiras disponíveis

Conselho Municipal de Cultura faz eleição para cadeiras disponíveis

O encontro será nessa segunda-feira, 31, as 8h30 no Paço Municipal de Maringá

O Conselho Municipal de Cultura de Maringá,  organismo independente que formula e supervisiona ações para o setor de Cultura, elegeu os novos titulares e suplentes no último dia 18 de junho. Na ocasião algumas cadeiras não foram preenchidas, ou perderam seus representantes ao longo desses quatro meses, e precisam ser ocupadas para que nenhum setor fique sem representação.

As cadeiras vagantes são: Literatura (titular e suplente), Artes Populares (Suplente) e Artes Visuais (Suplente). A eleição para compor essas vagas será feita na próxima segunda-feira, dia 31, as 8h30 no Paço Municipal de Maringá.

 

Sobre o Conselho

Na teoria, o Conselho Municipal de Cultura tem o papel de unir poder público e a sociedade para debaterem mudanças que viabilizem o crescimento da produção cultural do nosso município. Metade do colegiado é composto por nomes indicados pela Gestão do Executivo local, representantes governamentais, e a outra metade é formada por representantes dos artistas, produtores, pesquisadores, que são eleitos em plenária a cada dois anos – considerados não governamentais.

Na prática, ainda há muito a ser feito, mas os passos estão sendo dados. Para eleger os novos representantes que vão atuar nos anos de 2016 a 2018, por exemplo, a gestão anterior organizou durante dois meses encontros setoriais com o objetivo de reunir, apresentar e afinar as ideias que seriam debatidas na data da eleição. Para Laura Chaves, representante das Artes Cênicas e presidente da gestão 2014/2016, a estratégia rendeu bons nomes para a nova equipe. “Me surpreendeu positivamente os conselheiros eleitos pelos segmentos, temos pessoas envolvidas com o setor e dispostas a fazer com que as decisões do Conselho sejam cumpridas”, acrescenta.

 

Novos nomes representando os setores

Eleito para representar o setor do Audiovisual no Conselho, o diretor e produtor de cinema Ribamar Nascimento afirma que assume a cadeira como o objetivo de unir forças com os demais conselheiros para fazer com que o Plano Municipal de Cultura funcione. “São dois anos de empenho. Então tem que ser hora de criar a base para o Plano Municipal de Cultura que foi aprovado na ultima Conferência. Se ele for seguindo a risca, em uma década teremos em Maringá polos de referência cultural”, afirma.

Depois de quase três décadas a frente da secretaria de cultura e lazer do Sesi em Maringá, Rosana Muriana assume uma das cadeiras mais tradicionais do Conselho: a de Artes Cênicas. Responsável por implantar e desenvolver o Núcleo de Dramaturgia Contemporânea na cidade desde 2010, Rosana é clara ao afirmar que os grupos precisam se reunir mais para que as ideias avancem da melhor forma. “Acho que classe artística de modo geral precisa participar mais das reuniões que acontecem mensalmente, para acompanhar o andamento dos processos,  falar sobre as dificuldades, resultados e dar suas sugestões para melhorar o atendimento dos grupos de teatro da cidade junto a Secretaria Municipal de Cultura”.

Comentários

comentários

Sobre o autor

Você também poderá gostar

Notícias

No Rio, ministro defende liberdade de expressão artística

O ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, reiterou sua disposição em defender a liberdade de expressão artística durante encontro promovido pela Associação dos Produtores de Teatro na manhã desta terça-feira

Notícias

MinC publica novas regras para contratação de pareceristas

Os projetos culturais apresentados ao Ministério da Cultura (MinC) para apoio via Lei Rouanet passam por novas regras de aprovação a partir da Instrução Normativa nº 1/2017. No bojo das

Notícias

O desafio de atrair a classe C

Impulsionado pelo aumento da renda e pelo crédito fácil, o consumo da classe C foi um dos motores da economia brasileira na última década. No entanto, o ímpeto consumista em