Oficina vai desvendar o caminho da teoria à prática na Lei Rouanet
24 de agosto de 2016 1306 Visualizações

Oficina vai desvendar o caminho da teoria à prática na Lei Rouanet

Evento de formação oferecido pelo Instituto Cultural Ingá será ministrado por Edson Pereira, nos dias 10 e 24 de setembro

Quem acredita na preservação da cultura e nas manifestações artísticas como instrumentos de transformação social, sabe muito bem a importância que a Lei Rouanet tem no atual contexto brasileiro. A isenção e correta aplicação desse mecanismo, no entanto, depende de uma série de regras e normas que devem ser respeitadas desde o momento de inscrição do projeto até a prestação de contas. São essas regras que o vice-presidente do Instituto Cultural Ingá, Edson Pereira, vai apresentar e detalhar na oficina técnica “Lei Rouanet: da teoria à prática”.

“As pessoas que buscam as oficinas, já de antemão, têm noção do que seja a Lei Rouanet, e buscam mais conhecimento na forma de sua utilização. As oficinas são um dos caminhos para dirimir dúvidas”, explica Edson, lembrando que as dúvidas e polêmicas a respeito desse que é o maior mecanismo de financiamento à cultura do nosso país fica mesmo para a parcela da população que tem, através da mídia, o único contato com todo o processo.

Os encontros serão em dois finais de semana, 10 e 24 de setembro, das 8h às 17h (com horário de almoço, no Centro de Treinamentos da ACIM (Associação Comercial e Empresarial de Maringá). A oficina “Lei Rouanet: da teoria à prática” terá como subtema “Oportunidades do mercado cultural: detalhes do passo a passo para elaborar projetos junto ao Ministério da Cultura”.

De acordo com Edson, muitos dos artistas e produtores que escolhem esse mecanismo de renúncia fiscal para viabilizar seus projetos até têm grandes ideias para sua execução, mas pecam na hora de fazer a correta utilização do recurso captado. “Tudo o que foi planejado pode ter mudanças. Algumas podem ser diretas por parte de quem executa e outras necessitam da aprovação do Ministério da Cultura. Às vezes falta um pouco de atenção entre o que foi planejado e o que está sendo executado”, completa, adiantando um dos conselhos que estarão na oficina “Cautela sempre”.

 

Momento propício

“Em 2016, a Rouanet completa 25 anos de atividades. Em meio a tantas polêmicas e notícias negativas que envolvem a lei, não podemos desconsiderar a sua importância para o setor cultural, que vai muito além do financiamento. Nestes anos acompanhamos o aumento da oferta de produtos e eventos culturais, a democratização do acesso a cultura, a maior profissionalização e formalização dos agentes culturais, e um setor engajado em aprimorar o mecanismo existente. A Lei Rouanet é muito maior do que as manchetes dos noticiários, é uma importante opção de financiamento à cultura que auxilia artistas, produtores e instituições a estruturarem e viabilizarem seus projetos. A melhor forma de atuar na área e participar do desenvolvimento do setor é conhecer como ela funciona.”

Camila Alves, Consultora e Gestora cultural

 

Serviço:

Oficina “Lei Rouanet: da teoria à prática”

10 e 24 de setembro

Centro de treinamentos da ACIM

Investimento: R$ 190

inscrições: treinamento1@acim.com.br

(44) 3025-9595

 

LEI ROUANET_AGO_16

Comentários

comentários

Sobre o autor

Você também poderá gostar

Notícias

Programa incentiva a levar para casa comida que sobrou do pedido no restaurante

No último dia 23, a regional noroeste da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) deu início ao Programa “Peça para levar”, em parceria com a Associação Comercial e Empresarial de

Notícias

Em discurso de posse, ministro Sérgio Sá Leitão destaca importância da cultura para a economia

A importância estratégica da cultura para a economia e a necessidade de se criar um pacto dentro governo em prol da reconstrução do Ministério da Cultura (MinC) foram os destaques

Notícias

Maior festival de animação do mundo fará homenagem ao Brasil

O Festival de Annecy, na França, o maior e mais importante festival de cinema de animação do mundo, vai homenagear a animação brasileira na edição deste ano. E para debater