O Brasil perde Tunga, o primeiro contemporâneo a expor no Louvre
7 de junho de 2016 738 Visualizações

O Brasil perde Tunga, o primeiro contemporâneo a expor no Louvre

Antonio José de Barros Carvalho e Mello Mourão, conhecido como Tunga, faleceu nesta segunda-feira, dia 6,  aos 64 anos, no Rio de Janeiro, vítima de câncer. Considerado um dos maiores nomes da arte contemporânea nacional, ele foi o primeiro brasileiro a ter uma obra exposta no museu do Louvre em Paris.
Pernambucano, radicado no Rio de Janeiro desde a década de 70, o artista foi um dos mais inventivos da sua época, autor de uma obra plástica que mesclava as vanguardas nacionais a um universo simbólico único, que se utilizava de ossos, crânios, dedais e agulhas.
No campo da escultura, usou materiais como cobre, aço e ímãs para arquitetar construções que lembrassem o corpo humano. O erotismo, enquanto forma de manifestação do instinto e do desejo, guiou grande parte de suas pesquisas estéticas.

Comentários

comentários

Sobre o autor

Você também poderá gostar

Notícias

“Mágica Solidária” será realizada em Maringá nesta sexta-feira

Entrando no clima do Magias do Ingá, maior Festival Internacional de Ilusionismo e Mágica, que acontece neste final de semana em Maringá, o mentalista e curador do projeto, Karllos Della

Notícias

4ª Conferência Municipal de Cultura será realizada nos dias 17 e 18 de junho

A 4ª Conferência Municipal de Cultura será realizada nos dias 17 e 18 de junho, às 19 horas no primeiro dia e das 8h30 às 11h30 e 14 às 17

Local

Palestra da Monja Coen atrai mais de 1.700 pessoas no Vivaro

A parceria entre Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH PR Noroeste) e Instituto Cultural Ingá (ICI) já rendeu bons frutos à cidade de Maringá. Juntas as entidades promoveram palestras de