O Brasil perde Tunga, o primeiro contemporâneo a expor no Louvre
7 de junho de 2016 828 Visualizações

O Brasil perde Tunga, o primeiro contemporâneo a expor no Louvre

Antonio José de Barros Carvalho e Mello Mourão, conhecido como Tunga, faleceu nesta segunda-feira, dia 6,  aos 64 anos, no Rio de Janeiro, vítima de câncer. Considerado um dos maiores nomes da arte contemporânea nacional, ele foi o primeiro brasileiro a ter uma obra exposta no museu do Louvre em Paris.
Pernambucano, radicado no Rio de Janeiro desde a década de 70, o artista foi um dos mais inventivos da sua época, autor de uma obra plástica que mesclava as vanguardas nacionais a um universo simbólico único, que se utilizava de ossos, crânios, dedais e agulhas.
No campo da escultura, usou materiais como cobre, aço e ímãs para arquitetar construções que lembrassem o corpo humano. O erotismo, enquanto forma de manifestação do instinto e do desejo, guiou grande parte de suas pesquisas estéticas.

Comentários

comentários

Sobre o autor

Você também poderá gostar

Leia também

MinC debate novo modelo de acompanhamento de projetos

Qualificar o acompanhamento de projetos culturais apoiados por meio dos mecanismos de fomento da Lei Rouanet e tornar, por consequência, a fase de prestação de contas mais orgânica e eficiente

Notícias

Palestra “Projetos Culturais: do que se trata?” encerra formações técnicas do ICI em 2017

Ao todo, mais de 2.000 pessoas participaram dos projetos formativos da entidade neste ano O ano nem sequer acabou e já é possível prever o balanço das formações técnicas fomentadas

Nacional

Exposição leva vida e obra de Paulo Leminski ao Museu Hélenton Borba Côrtes, no Teatro Calil Haddad

De 09 de junho a 24 de setembro, mais de mil itens do escritor curitibano serão expostos em Maringá A exposição “Múltiplo Leminski” – que também marca a celebração dos