Comida, diversão e arte

Comida, diversão e arte

Como no refrão dos Titãs, Sabor e Cultura ocuparam Maringá no Festival promovido pelo Instituto Cultural Ingá em parceria com apoiadores

“As pessoas chegavam e ficavam encantadas em ver aquelas cozinhas móveis cuidadosamente equipadas, em um lugar aconchegante, todo cercado de música, circo, história…” conta a presidente da Abrasel em Maringá, Deborah Kemmer. O núcleo maringaense da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes foi um dos principais parceiros do Festival Sabor de Cultura, responsável pela coordenação e preparação dos food-trucks que fizeram a alegria de quem visitou o evento realizado no final do mês passado.

Ao todo, cerca de mil pessoas visitaram o Festival nos dois dias de evento. A dinâmica era simples: você adquiria uma entrada em forma de cartão de crédito e podia recarregá-lo com o valor que queria consumir. Comodidade e segurança que foram uma das principais novidades do evento. “O cartão foi uma forma prática para trazer maior segurança e controle ao público presente. Além disso, foi uma maneira de gerar maior qualidade no serviço prestado pelos Food Trucks, já que deixaram de manipular o dinheiro próximo dos alimentos”, explica Miguel Fernando, diretor executivo do Instituto Cultural Ingá.

Opções, não faltaram. Oito food-trucks enfeitaram o local e dividiram a atenção dos presentes com as atrações culturais que compunham o evento. Enquanto os visitantes conheciam o acervo de discos e artigos clássicos do Disco Clube, ou viajavam pela história do automotor na exposição exclusiva dedicada ao tema, também puderam curtir – longe ou perto – as quatro apresentações de artistas locais que renderam homenagens a artistas de diversos ritmos. Um Festival na melhor definição do termo.

Para Deborah Kemmer, que também empenha a participação dos food-trucks em outros eventos, o Festival Sabor de Cultura teve um destaque especial pela sua organização. “Alguns pontos fizeram a diferença como a limpeza do local e a qualidade dos pratos oferecidos pelos food-trucks”, e completa “Esses eventos só ajudam a impulsionar esse tipo de evento que envolve várias artes. Afinal, como diz a letra dos Titãs, a gente quer comida, diversão e arte”.

Para Miguel Fernando, o Instituto Cultural Ingá tem o papel fundamental no debate com a gastronomia: “Muitos perguntaram porque o ICI estava promovendo um evento como este. Nossa resposta sempre foi categoria e objetiva, explicando que a gastronomia é uma das principais representações da identidade cultural de um povo. Não podemos vincular a produção cultural somente com circo, teatro, dança, música. É, entre muitas outras coisas, como nos vestimos e o que comemos. Por isso, acreditamos que em breve promoveremos nova edição do Festival Sabor de Cultura”.

Comentários

comentários

Sobre o autor

Você também poderá gostar

Notícias 0 comentários

Editais do Minc para todas as tribos

Indígenas, Midialivristas e Redes de Cultura de todo o Brasil vão poder concorrer, a partir desta sexta-feira (03/07), a R$ 13,428 milhões em três editais nacionais do Ministério da Cultura,

Notícias

Lançamento do livro “Lonas e Memórias: a história esquecida do circo paranaense”

Evento contou com a participação dos dois responsáveis pela obra, o diretor executivo do Instituto Cultural Ingá Miguel Fernando e a pesquisadora Rosana Steinke Foi realizado no fim da tarde

Nacional

Startups Connected seleciona iniciativas inovadoras em cultura

Com o crescimento da utilização do modelo de inovação aberta, empresas de grande porte e startups se aproximam cada vez mais. Neste contexto, a Câmara Brasil-Alemanha lança, em comemoração ao