Para que servem as editoras musicais?
27 de abril de 2016 1149 Visualizações

Para que servem as editoras musicais?

Editora musical é a empresa que administra repertórios musicais (composições) e licencia usuários em relação às diversas modalidades de sua utilização, como as gravações, comercialização de CDs, arquivos digitais, sincronizações audiovisuais em cinema, TV, etc.

Qualquer pessoa ou produtor pode abrir uma editora musical ou ainda agregar o objetivo social de edição musical a uma empresa já existente. O processo de abertura da empresa é o mesmo, explica Fernando Yazbek, advogado especializado em Direitos Autorais e sócio da Editora Spin Music. “O modelo básico da editora musical no Brasil acompanha a mesma estrutura observada em outros países do mundo. Como as leis autorais vigentes em cada país podem variar e, mais do que isso, as práticas, regulamentos e instituições que operam os direitos autorais são distintos em cada território, as práticas administrativas tendem a variar”, explica Yazbek. Apesar disso, o princípio básico que norteia a atividade da edição musical é sempre o mesmo: a proteção legal garantida aos autores de composições musicais.

Ao lado das gravadoras ou produtores fonográficos, que controlam o uso dos fonogramas (gravações em si), são as editoras que autorizam e garantem a legitimidade de uso das composições musicais contidas nessas gravações em qualquer mídia, convencional ou digital, como explica José Carlos Costa Netto, presidente da BM&A e da Associação Brasileira de Direito Autoral (ABDA), que abre o curso no dia 14 de maio.

Segundo ele, entre outras contribuições, são as editoras musicais que, na maioria dos casos, enfrentam todas as dificuldades e se empenham para conferir a legitimidade – e conseqüente remuneração dos compositores – ao uso de músicas disseminado pela internet, por exemplo. “O que não é uma tarefa fácil”, ele salienta.

No debate sobre direitos autorais o papel das editoras é fundamental, já que sua atividade empresarial depende da efetividade da proteção a esses direitos dos compositores. As editoras recebem, por delegação, a administração desses direitos. Mas deixaram de ser meras cessionárias do direito autoral sobre as músicas, afirma Costa Netto, para se tornarem parceiras administradoras de repertórios, organizando o licenciamento, cobrança e repasse aos compositores da remuneração que lhes cabe na utilização de suas obras. “Essa modernização de relacionamento tem ajudado o criador intelectual a controlar com mais efetividade suas músicas em face da diversidade de mídias existente, tanto no plano local ou nacional quanto mundial, o que seria muito dificultoso fazer individualmente”, explica.

 

Comentários

comentários

Sobre o autor

Você também poderá gostar

Notícias

Lei Rouanet precisa de reforma e deve incluir empresas com lucro presumido, diz Calero

Ministro da Cultura participou de encontro com artistas e gestores na OAB-SP do site do Jornal O Globo O ministro da Cultura, Marcelo Calero, reforçou nesta quarta-feira, durante encontro na

Nacional

Fim do MinC: retrocesso histórico

Ao que parece eliminar o Ministério da Cultura já se confirma como um dos primeiro atos do governo Temer… sem debate ou consulta, uma canetada promove hoje um retrocesso de

Notícias

ICI recebe visita de Horst Hörtner

O Instituto Cultural Ingá – ICI, junto do Codem Maringá, EVOA Aceleradora, ACIM – Associação Comercial e Empresarial de Maringá e outras entidades, recebeu o designer austríaco Horst Hörtner, fundador e diretor da Ars