Novas práticas na curadoria de artes
20 de abril de 2016 1264 Visualizações

Novas práticas na curadoria de artes

Mônica Herculano para o Cultura e Mercado

Curadoria é uma profissão relativamente nova, que vem atraindo pessoas com perfis bastante diferentes nos últimos anos. “Sob influência direta de estratégias do capitalismo e da globalização, o crescimento do mercado de arte e a espetacularização de mostras e exposições fizeram também com que essa área de atuação e necessidade de capacitação se dilate para a gastronomia, o design, a moda, a informação… abrindo um leque de possibilidades profissionais.”

Quem afirma é Sandra Tucci, artista plástica, mestre em Comunicação e Artes pela Universidade de São Paulo e coordenadora do curso de pós-graduação Curadoria em Arte do Senac São Paulo. Para ela, entender a prática curatorial como mediação se faz cada vez mais urgente, assim como que o curador reconheça seu público para que sua proposta esteja alinhada conceitualmente às suas escolhas, evidencie sua narrativa, dê impulso a uma comunicação ativa e que, sobretudo, motive algum tipo de transformação social.

Sandra apresenta de 30 de abril a 1 de maio, no Cultura e Mercado, em São Paulo (SP), mais uma edição do curso Práticas em Curadoria, no qual abordará as origens, modelos, formatos, referências e formação do curador. Ela falará especificamente sobre curadoria em equipamentos culturais e curadorias independentes,  mediação cultural no setor educativo e mercado de trabalho.

Em entrevista, ela fala sobre a função do curador, o mercado de curadoria de arte e o que é preciso para ser um bom profissional nessa área.

Cultura e Mercado – A função do curador de arte mudou com o passar dos anos?
Sandra Tucci – Com a expansão do mercado de arte, a função do curador se expande para além dos aprendizados e domínios tradicionais institucionalizados: conhecer a história da curadoria, que é relativamente recente e que trata das ações de seus protagonistas, seu tempo e lugar, e os resultados que promoveram transformações no cenário das artes; ter conhecimentos em museologia e museografia, para atuação em algum equipamento cultural e/ou para prática com acervos e coleções; ter noções de desenho do espaço ou expografia, para que a ambientação de sua mostra promova intermediação com o público.

Hoje faz-se necessário que o curador tenha ainda conhecimento dos elementos básicos de gestão e produção executiva, a fim de alinhar os anseios institucionais ao seu projeto e poder dar conta da prestação de contas dentro ou fora do museu. Outro aspecto bastante importante da atualidade é saber trabalhar em equipe. O curador deve saber atuar como mediador entre o setor educativo e o público, para que a comunicação, propostas e dinâmicas estejam em sintonia com seu recorte curatorial.

CeM – Quais as principais características de um bom curador de arte?
ST – O mercado de arte parte do princípio que o curador tenha avançados conhecimentos de história da arte e que possua um background de pesquisa, leitura e de escrita, além de ser um frequentadorhabitué de feiras, bienais, museus e galerias. Com a dilatação das áreas de atuação do curador para além das artes, em exposições de outras áreas – tais como gastronomia, design, moda, musica, etc -, é importante que seja um expert no assunto escolhido.

Leia a entrevista completa clicando aqui.

Comentários

comentários

Sobre o autor

Você também poderá gostar

Notícias

6 anos de Maringá Jazz Festival

Apresentações gratuitas acontecem no Teatro Marista e dão espaço para músicos reconhecidos mundialmente e instrumentistas locais Os artistas que se apresentam gratuitamente no Maringá Jazz Festival deste ano, que acontece

Notícias

Aberto cadastramento de pareceristas para o 2º edital do Profice

Os interessados em prestar serviços de análise e emissão de pareceres técnicos para os projetos habilitados no 2º Edital do Programa Estadual de Fomento e Incentivo à Cultura do Paraná

Notícias

Quer incentivar projetos culturais em 2017? Saiba como destinar o ICMS da sua empresa ao Profice

O Programa de Fomento e Incentivo à Cultura do Paraná (PROFICE) está em fase de captação de recursos. As empresas interessadas em tornarem-se incentivadoras da Cultura no Estado devem se