Pelo patrimônio cinematográfico

Pelo patrimônio cinematográfico

Mônica Herculano para o Cultura e Mercado

Encerrada na última quarta-feira (4/11), a 39ª edição da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo prestou homenagem à The Film Foundation, instituição criada há 25 anos pelo cineasta Martin Scorsese com o objetivo de proteger e preservar a história do cinema.

Em parceria com cinematecas e estúdios de diversos lugares do mundo, a fundação já restaurou mais de 700 filmes, que são apresentados em festivais, mostras, museus e instituições de ensino. Em São Paulo, foram exibidos 25 títulos, incluindo clássicos como “Rocco e seus Irmãos”, “Juventude Transviada”, “Sindicato dos Ladrões” e “Limite” (do brasileiro Mário Peixoto). “A preservação pela preservação não é nosso objetivo. Não queremos preservar algo e colocar em um cofre para nunca ser visto. A ideia é que [o filme] seja preservado para a posteridade, para o futuro, mas sempre garantindo que as pessoas vão assistir”, disse Margaret Bodde, diretora da The Film Foundation, em entrevista ao site da Mostra.

Ela contou que, quando a fundação foi criada, em 1990, havia pouca consciência quanto à importância da preservação cinematográfica. Alguns estúdios em Los Angeles começavam a implementar programas, mas muitos não perceberam essa necessidade até descobrirem que, para lançar algo em home video, precisariam voltar ao negativo. “É preciso abrir a caixa, tirar o negativo, olhar para ele, ver que precisa ser restaurado, que tem um rasgo, que tem mofo. Uma série de problemas aparece quando você de fato olha para o negativo”, explicou. Em uma década em que o mercado de home video começava a crescer, não preservar os filmes significaria não conseguir ganhar dinheiro.

Segundo Margaret, o mercado de vídeo beneficiou a preservação de filmes mais do que qualquer outra coisa. Além disso, ajudou o fato de Martin Scorsese, Steven Spielberg, Christopher Nolan, Wes Anderson e outros cineastas terem falado sobre a importância dos filmes do passado para seus trabalhos atuais. Agora, a queda das vendas de vídeos e do lucro dos estúdios tem prejudicado esse tipo de atividade. “Porque a primeira coisa que cortam é [o orçamento destinado à] restauração, já que querem usar o dinheiro para fazer novos filmes.”

Leia o artigo completo clicando aqui.

Comentários

comentários

Sobre o autor

Você também poderá gostar

Notícias

Formação para jovens na área cultural

O Departamento de Estratégia Produtiva do Ministério da Cultura (MinC), informou que serão disponibilizadas cerca de 20 mil vagas para formação na área cultural dentro do programa Mediotec, um braço

Leia também

Encontro global Emergências reúne pensadores no Rio de Janeiro

Pensar a cultura como ativadora de processos na conquista de direitos civis, políticos, sociais, econômicos e ambientais. Esse é o objetivo central do Emergências, projeto realizado pelo Ministério da Cultura

Formação

Fotos – Fórum de Líderes Sindicais

No último dia 15, sexta-feira, os líderes de diferentes sindicatos de Maringá e região tiveram a oportunidade de se reunirem e, juntos, conhecer e discutir aspectos sobre saúde, economia e legislação