Pelos teatros independentes

Pelos teatros independentes

Mônica Herculano para o Cultura e Mercado.

Um mapeamento realizado recentemente em São Paulo identificou que há diferenças estruturais relevantes entre os teatros independentes e os demais (públicos, patrocinados e SESC). Uma delas é a produção de cultura.

A maioria mantém uma agenda de apresentação de espetáculos importante. Os independentes, no entanto, além de apresentarem espetáculos de terceiros em seus espaços, ainda produzem os próprios, na maior parte das vezes inéditos e autorais. Isso acontece, segundo o diretor teatral Ricardo Karman, pelo fato desses espaços estarem nas mãos de artistas ativos na sua função social, que talvez por essa razão se esforcem para manter seus espetáculos em cartaz mais tempo.

Karman é fundador do Teatro Centro da Terra e um dos integrantes do Motin – Movimento dos Teatros Independentes de São Paulo, lançado há cerca de um mês, após dois anos de conversas. “O que nos atraiu no início foi a mobilização em torno da isenção do IPTU para os pequenos teatros. Mas, com o tempo, percebemos que havia outras demandas em comum que nos afligiam e que também deveríamos contemplar”, conta Karman. Entre essas, está um sistema de organização que preserve a diversidade, mas que também represente e identifique esses espaços.

O Motin, continua o diretor, era uma possibilidade de romper o isolamento artístico, administrativo e legal (com desdobramentos e atuações coletivas nas políticas culturais) que acometia a maioria dos teatros independentes da cidade. Rapidamente, isso evoluiu para a necessidade de ter um portal na internet e uma cartografia dos espaços existentes.

Portal no ar (www.motin.org.br), pesquisa publicada (clique aqui para acessar), lei de isenção do IPTU aprovada (a valer em 2016). O próximo passo é estabelecer uma rede e dar maior visibilidade à importância da atuação dos teatros independentes na cidade. O movimento, que no último ano reuniu representantes do Ágora, Redemunho, Centro da Terra, Ruth Escobar e Pequeno Ato, entre outros, agora quer lutar pelas condições dos espaços teatrais e ampliar sua capacidade de comunicação com o público.

“Os teatros que integram o Motin configuram uma rede de produção de arte heterogênea, em inúmeros territórios socioculturais diferentes espalhados por toda a cidade. Uma manifestação livre, autêntica e autóctone da nossa diversidade cultural contemporânea, sem curadoria de terceiros sobre nossos trabalhos. Isso representa uma diferença estrutural importante entre o movimento e os demais teatros e possui um valor inestimável”, afirma Karman.

Pedro Granato, dramaturgo e diretor teatral, responsável pelo Pequeno Ato, acredita que com a ascensão do universo virtual, o teatro reforça sua importância de olhar para o essencial, de colocar as regras sociais, políticas e pessoais em questão. “O teatro segue sendo um canal muito forte de relação entre público e artistas, olho no olho, um fórum de debate e percepção de nossas características. A humanidade está em análise no teatro e em nossa cidade gigantesca essa rede de espaços culturais cumpre a função vital de não ter uma função utilitarista. E o mais impressionante é a variada gama de estilos e propostas que estão em cena em São Paulo, uma diversidade poderosa e com potencial para fortalecer sua relação com a sociedade.”

Um dos próximos projetos do Motin é realizar um seminário para fomentar o debate sobre qual o espaço do teatro com relação às novas tecnologias. Karman acredita que, com o tempo, as artes e eventos presenciais podem ganhar força diante das mídias virtuais e definir melhor seu espaço. “Pessoalmente, acredito na interatividade e hibridização das mídias”, defende.

Leia a matéria completa clicando aqui.

Comentários

comentários

Sobre o autor

Você também poderá gostar

Artigo

Experiência mantém atratividade do cinema

A combinação grandes lançamentos, pipoca e refrigerante segue imbatível como fator que motiva os brasileiros a optarem pela telona A pipoca nem sempre foi um atrativo para complementar a experiência

Notícias

Editoras independentes levam a maioria das categorias no Prêmio Biblioteca Nacional

Foi das editoras independentes o protagonismo no Prêmio Biblioteca Nacional deste ano. Casas pequenas, como a Abacate ou a Mondrongo, levara sete das nove categorias do troféu literário. Os resultados

Local

Lar Escola promove evento beneficente, dia 2 de junho

Fazer o bem se divertindo é uma ótima combinação, não é mesmo? No dia 2 de junho, a partir das 20 horas, os maringaenses terão essa oportunidade no evento beneficente