Documentos também são patrimônio histórico do mundo

Documentos também são patrimônio histórico do mundo

Imagens do Rio de Janeiro datadas de 1900 a 1950 e captadas pelas lentes da própria prefeitura do então Distrito Federal. Os registros fotográficos – e alguns negativos -mostram as principais intervenções urbanas sofridas na cidade. Entre elas, a reforma Pereira Passos, no início do século XX, as transformações de Carlos Sampaio, como o desmonte do morro do Castelo, considerado por muitos como um empecilho a ventilação e saneamento da cidade, e a abertura de grandes avenidas, como a Presidente Vargas.

Os Registros Fotográficos Oficiais das Intervenções Urbanas na Cidade do Rio de Janeiro (1900-1950), apresentados pelo Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro, foram um dos documentos inscritos no Registro Nacional do Brasil do Programa Memória do Mundo da Unesco. A lista com os 10 nominados, selecionados do edital de 2015, foi publicada, nesta quarta-feira (14), no Diário Oficial da União.

O Programa Memória do Mundo, criado em 1992, é uma iniciativa  da Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura), e reconhece documentos, arquivos e bibliotecas de grande valor internacional, regional e nacional. Entre os objetivos da iniciativa estão os de preservar e difundir esse acervo e impedir que o patrimônio da humanidade seja esquecido.

Além dos registros fotográficos, outros documentos históricos foram selecionados. Partituras – Obras de Heitor Villa-Lobos (1901-1959), apresentadas pelo Museu Villa-Lobos; arquivo pessoal da artista Rubens Gerchman e a Produção Intelectual da Igreja Positivista do Brasil, apresentado pela Igreja Positivista do Brasil (IPB) são outros exemplos.
Decisões judiciais que marcaram época, como a caminhada do Poder Judiciário no reconhecimento de direitos sociais aos homossexuais, apresentado pela Justiça Federal de 1º Grau no Rio Grande do Sul -Seção Judiciária do RS (SJRS) também foram selecionadas no Programa.

História

O Programa Memória do Mundo da Unesco (Memory of the World – MOW) pressupõe que o patrimônio documental mundial pertence a todos, deve ser preservado e acessível “de maneira permanente e sem obstáculos”.

A iniciativa reconhece patrimônios documentais com relevância internacional, regional e nacional. Além de realizar registro com certificado, o programa facilita o acesso e preservação desse tipo de patrimônio.

Em setembro de 2004, o Ministério da Cultura criou o Comitê Nacional do Brasil do Programa Memória do Mundo da Unesco – MOW Brasil. Desde seu funcionamento oficial, em 2007, lançou diversos editais que resultaram em acervos documentais nominados.

As candidaturas selecionadas foram:

I . Acervo da Comissão Construtora da Nova Capital – Belo Horizonte (1892-1903), apresentado conjuntamente pelo Arquivo Público da Cidade de Belo Horizonte – APCBH/FMC, pelo Museu Histórico Abílio Barreto – MHAB/FMC e pelo Arquivo Público Mineiro – APM.

II. Arquivo da Secretaria de Governo da Capitania de São Paulo (1611-1852), apresentado pelo Arquivo Público do Estado de São Paulo.

III. Arquivo Pessoal Rubens Gerchman (1942-2008), apresentado pelo Instituto Rubens Gerchman.

IV. Cultura e Opulência do Brasil, De André João Antonil, apresentado pela Fundação Biblioteca Nacional.

V. Decisões que Marcaram Época: A Caminhada do Poder Judiciário no Reconhecimento de Direitos Sociais aos Homossexuais, apresentado pela Justiça Federal de 1º Grau no Rio Grande do Sul – Seção Judiciária do RS (SJRS).

VI. Iconografia do Rio de Janeiro na Coleção Geyer (séculos XVI a XIX), apresentada conjuntamente pela Casa Geyer e Museu Imperial / IBRAM.

VII. Partituras – Obras de Heitor Villa-Lobos (1901-1959), apresentadas pelo Museu Villa-Lobos / IBRAM.

VIII. Processos Judiciais Trabalhistas: Doenças Ocupacionais na Mineração em Minas Gerais – Dissídio Individuais e Coletivos (1941-2005), apresentados pelo Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região – Minas Gerais.

IX. Registros Fotográficos Oficiais das Intervenções Urbanas na Cidade do Rio de Janeiro (1900-1950), apresentados pelo Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro.

X. República e Positivismo: A Produção Intelectual da Igreja Positivista do Brasil, apresentado pela Igreja Positivista do Brasil (IPB).

 

Comentários

comentários

Sobre o autor

Você também poderá gostar

Notícias

Virada Cultural 2016 terá mais de 30 atividades gratuitas

A Prefeitura de Maringá, por meio da Secretaria Municipal de Cultura (Semuc), promove do dia 9 a 13 de novembro a Virada Cultural 2016, que vai contar com mais de

Nacional

Mestre das sete cordas: cinco videos de Yamandu Costa

O violonista gaúcho, que se apresenta em Maringá no próximo sábado (dia 20), tem no currículo apresentações em parceria com nomes consagrados da música brasileira Com 36 anos, Yamandu Costa ostenta

Nacional

Startups Connected seleciona iniciativas inovadoras em cultura

Com o crescimento da utilização do modelo de inovação aberta, empresas de grande porte e startups se aproximam cada vez mais. Neste contexto, a Câmara Brasil-Alemanha lança, em comemoração ao