Entre as leis e a tecnologia

Entre as leis e a tecnologia

Mônica Herculano, para o site Mídia e Mercado

Nos últimos tempos, o trabalho do profissional de Direito na área do entretenimento tornou-se mais complexo. Isso porque, por um lado, houve um grande aumento no volume de transações desse mercado; por outro, as operações agora envolvem múltiplas plataformas e linguagens diferentes, graças à convergência de mídias.

“Há cerca de 10 anos não havia desenvolvedores de aplicativos, agregadores de conteúdo, redes sociais e portais de streaming. Na verdade, não havia sequer o tipo de serviço que eles prestam. E mesmo entre os atores já tradicionais do mercado houve um crescimento numérico. Há, hoje, muito mais canais de TV do que havia antes, os megafestivais são frequentes no Brasil e para tudo isso é necessário contar com uma boa assessoria jurídica”, explica Cláudio Lins de Vasconcelos, sócio fundador da Lins de Vasconcelos Advogados e vice-presidente da Comissão de Direitos Autorais, Intelectuais e do Entretenimento da OAB-RJ.

Ele lembra que, além de haver mais pessoas e empresas operando em todos os pontos da cadeia produtiva, as operações agora envolvem múltiplas plataformas e linguagens diferentes, fruto da convergência de mídias. O produtor audiovisual, por exemplo, já planeja o ciclo de vida do produto imaginando que seu longa-metragem, se bem sucedido, pode virar uma série ou um game. Seus personagens podem se transformar em marcas de produtos para os mais diversos públicos – brinquedos, grifes de vestuário, cosméticos, etc. – e a obra audiovisual em si pode se tornar um veículo publicitário especialmente viável em meio à fragmentação da audiência nas inúmeras telas.

Confira o artigo completo clicando aqui.

Comentários

comentários

Sobre o autor

Você também poderá gostar

Oficinas

Café com Cultura vai reunir artistas e produtores no próximo dia 05

Primeiro encontro do evento mensal organizado pelo Instituto Cultural Ingá terá como tema o segmento de Artes Cênicas Quem está no meio sabe bem que a rotina de quem trabalha

Nacional

O Brasil perde Tunga, o primeiro contemporâneo a expor no Louvre

Antonio José de Barros Carvalho e Mello Mourão, conhecido como Tunga, faleceu nesta segunda-feira, dia 6,  aos 64 anos, no Rio de Janeiro, vítima de câncer. Considerado um dos maiores nomes

Oficinas

Oficina vai desvendar o caminho da teoria à prática na Lei Rouanet

Evento de formação oferecido pelo Instituto Cultural Ingá será ministrado por Edson Pereira, nos dias 10 e 24 de setembro Quem acredita na preservação da cultura e nas manifestações artísticas como