Livro sobre a história esquecida do Circo Paranaense terá pré-lançamento em agosto

Livro sobre a história esquecida do Circo Paranaense terá pré-lançamento em agosto

Lançamento será durante cerimônia de abertura do Festival do Circo de Campo Mourão

O livro que resgata e reúne história de artistas e companhias de circo que se formaram ou que passaram pelo Paraná no período de 1940 a 1970 será lançado no próximo mês, durante a cerimônia de abertura do Festival do Circo de Campo Mourão. O projeto do Instituto Cultural Ingá (ICI) foi contemplado com Prêmio Funarte Caixa Carequinha de Estímulo ao Circo de 2014, o maior edital do país na área, e terá uma tiragem de mil exemplares que serão distribuídos em várias cidades do estado e do país.

Uma das pesquisadoras do projeto, Rosana Steinke conta que foram necessárias muitas horas de viagens e pesquisas em revistas e jornais antigos, os únicos meios em que havia alguma informação registrada. “Como a ideia era mapear algo que ainda não havia registro, pelo menos não um conjunto do mesmo, foi um trabalho de garimpo”. Como todo primeiro passo, Steinke destaca a importância do livro para futuras pesquisas. “Ainda assim, creio que é um grande passo para que outras pesquisas mais locais se aprofundem na temática , que é rica e tem muito a oferecer”, completa.

Focada entre os anos 1940 e 1970, época de criação e desenvolvimento de grande parte das cidades do Estado, a pesquisa traz luz para aspectos sociais e culturais do  paranaense. “Foi necessario estudar a origem do circo e como este veio ao Brasil, as primeiras trupes do Paraná e também buscar compreender o universo que o circo fazia parte nesse período histórico”, complementa Steinke. Organizado nas principais praças das cidades do interior, as apresentações mobilizavam toda a população. “Em determinadas épocas, as arquibancadas improvisadas de até 800 lugares chegavam a ter muitas vezes 4 apresentações por dia, sempre lotadas”, finaliza.

Numa época em que o rádio era o principal veículo de comunicação e entretenimento, as apresentações circenses eram a chance do público conhecer e ver de perto o ídolo que até então só conhecia por voz. “Ao mesmo tempo que havia o glamour e os aplausos, havia também a questão de viver uma vida nômade. Ser sempre o novo, o estranho, o exótico, aos olhos dos outros”. Além do resgate histórico, tão necessário, Steinke destaca a importância de se registrar a emoção e as lembranças das pessoas que fizeram a era de ouro do circo no Paraná. “Penso que o título do livro soe algo nostálgico e quem relatou sua passagem por ele, como plateia ou como artista, também trouxe essa nostalgia  nas suas palavras e no seu olhar. Afinal, o que conta mesmo na vida, são as lembranças individuais e coletivas dessas experiências comuns, não?”.

 

Prêmio Funarte Caixa Carequinha de Estímulo ao Circo

Primeiro projeto maringaense a ser aprovado no Prêmio Funarte Caixa Carequinha de Estímulo ao Circo, “A história esquecida do Circo Paranaense” surgiu de uma falta de registros sobre esse tema percebida pelo diretor executivo do ICI, Miguel Fernando, que também foi pesquisador e autor da obra. “O ICI tem como premissa desenvolver pesquisas e resgates para preencher hiatos da cultura de determinadas regiões. O circo é pauta presente nesse diálogo, onde, apesar de ser considerado um dos mais importantes segmentos culturais do Paraná sob o aspecto histórico, possuía pouco registro fora de Curitiba, onde há um livro sobre a família Queirolo. Todo caso, queríamos entender como se deu a organização circense de interior e quais foram seus principais desafios. Foi magnífico constatar, por exemplo, como as lonas se transformaram e empresas bem organizadas, e, ao mesmo tempo, como elas enfrentaram as dificuldades perante a popularização da TV e do Rádio. Mesmo assim, o interior do estado ainda teve o circo como um sobrevivente, pois os circenses passaram a agregar outras formas de expressão artísticas – muitas provenientes do rádio – , para manter seu empreendimento atrativo ao público. A exemplo disso, temos duplas sertanejas e capiras, além dos teatros de grande apelo popular, como a Paixão de Cristo, que passaram a ser a abertura dos espetáculos circenses.”

O processo de produção durou cerca de cinco meses, e o pré-lançamento acontecerá na cerimônia de abertura do Festival do Circo de Campo Mourão, dia 26 de agosto, no Teatro Municipal daquela cidade, a partir das 20 horas.

O lançamento oficial deverá ocorrer em outubro, durante a realização da Festa Literária de Maringá.

 

Serviço

“Lonas e memórias: a história esquecida do Circo Paranaense”

Livro, 150 páginas

Sinergia Editorial

Distribuição Gratuita (Bibliotecas e entidades públicas)

Contemplado com o Prêmio Funarte Caixa Carequinha de Estímulo ao Circo 2014.

 

 

Comentários

comentários

Sobre o autor

Você também poderá gostar

Notícias

No Rio, ministro defende liberdade de expressão artística

O ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, reiterou sua disposição em defender a liberdade de expressão artística durante encontro promovido pela Associação dos Produtores de Teatro na manhã desta terça-feira

Local

Exposição leva vida e obra de Paulo Leminski ao Museu Hélenton Borba Côrtes, no Teatro Calil Haddad

De 09 de junho a 24 de setembro, mais de mil itens do escritor curitibano serão expostos em Maringá A exposição “Múltiplo Leminski” – que também marca a celebração dos

0 comentários

Nenhum comentário ainda!

Você pode ser o primeiro a comentar!